quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Olho pela Janela e Vejo o Mar... Ou Sala das Horas Perdidas


Olho pela janela e vejo o mar, imenso. As ondas beijam a areia, com sua efervescência ácida. A maresia desentope minhas narinas e então respiro fundo. “Quer desistir...?” Ela me propôs. Desistir do amor, desistir das vontades, das coisas pelas quais deveríamos lutar na vida. Penso em desistir. Mas antes penso no significado da palavra desistir. Parece-me algo assim como abandonar o sonho, renunciar à coisa almejada, querida...
Certa vez desisti de um sonho, tão morto agora que nem lembro, mas há um vazio em mim por isso. Aliado a outros vazios, de dimensões maiores, menores, mais rasos, mais profundos, mais ou menos cortantes.
De vazio em vazio, adentro então numa grande sala, fria e desabitada. A sala da minha alma, onde o que se vê, são retratos de coisas que se perderam há tempos... minha infância está ali... estampada sobre uma moldura de cor esquisita, um cinza desbotado e triste. Há sorrisos esquecidos, quantos... tantos... há dias de sol e copas de árvores brilhantes, tremeluzindo ao bel-prazer de um vento que não tomei no rosto, que ventou num momento em que meus prazeres não eram ventos, mas algo que provavelmente se dissipou como uma lágrima no tempo.
Adiante, na grande sala, minha maturidade escorre num vermelho parco, sem brilho, como sangue estancado de alguma hemorragia antiga. Tudo está ali, se ali caminho. Se me afasto tudo some. Se toco, inundo-me da mais odiosa dor: a do arrependimento.
Ao menos ali não estão meus filhos, como caricaturas do que não vivi, penso, imerso em certo torpor gelatinoso.
Minha maturidade não me sorri, ri-se por dentro, maliciosa, vingativa, como quem diz: “não viveste...? Vivi eu!”.
A sala das horas perdidas não é mensurável, tampouco palpável... mais parece feita de um infinito que se estende após cada passo dado (pois antes do passo dado, não existe nada além ainda, somente o vazio que se estende ao lado, a frente, atrás, acima, abaixo, vertiginosamente, desmedidamente, impressionantemente), então ali está minha velhice e minha morte, porta fechada, passo não dado, história não contada...
A minha morte me aguarda em algum lugar da imensa sala, não sei em que direção, se perto ou longe...
Se quero desistir...? Pergunto-me a pergunta feita, enquanto o mar é tingido de um verde escuro e o sol de um laranja imenso de fim de tarde, qual um escudo sobre minha cabeça e minha casa e minha vida humana pequenina e de pé, na doca de madeira estreita, onde equilibro o que sou...
Talvez eu queira desistir de tudo, de todos, mas não olharei atrás, não derramarei lágrima alguma pelo que não fiz, pois o que não fiz tem a mesma importância na minha vida que as coisas que fiz... muitas das minhas vitórias foram conquistadas pelos erros e muitas derrotas construídas com acertos...
Talvez eu queira desistir, mas não lamentarei o que poderia ter sido amor, porque o amor que não foi jamais terá sido um dado real, mas uma mera e pouco importante possibilidade apenas.

João Mario Fleury Corrêa

22/08/2003

2 comentários:

  1. Olá João!
    Fico muito contente que me siga no My Home..my sweet space! Já o sigo também aqui e n Picadinho de Bacana.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  2. olá,

    acompanho seus dois blog e confesso que me delicio no Picadinho de Bacana, muito bom, e otimas dicas para uma aprendiz de cozinheira como eu que vivo arriscando umas e outras na cozinha... percebi que meu blog esta na sua lista de blogs, e como sempre chega a hora nessa vida de ou dar um fim ou prosseguir, eu interrompi lah e estou de blog novo, http://deliriosinvulneraveis.blogspot.com/

    beijos, e felicidades e saúde p vc e sua família!!!

    ResponderExcluir