sexta-feira, 28 de novembro de 2014

POR AMOR



Mesmo que me arrase a vida
O distante amor
Que a dura luta me inflija
Lancinante dor.

Mesmo que a esperança canse
De esperar o tempo
E eu veja escapar do pensamento
Tua última lembrança...

Ainda assim valerá à pena
A angústia
A saudade
A tortura
A derrota amarga que me invade.

Pois para o amor a morte é tarde
Para o amor a perda é cura
Para amor tudo é vontade.


João Mario Fleury Corrêa
29/11/2014

Um comentário:

  1. A Verdade Em Poesia, está a tentar visitar a todos os seus seguidores,
    para deixar abraço amigo e agradecer por termos ficado juntos mais um ano,
    desejar também que este ano lhe traga muitas alegrias, e grandes vitórias.
    Atenciosamente. António.
    PS. tive de seguir outra vez porque estava sem foto, ou sem endereço.

    ResponderExcluir